ESTIGMA NO TEMPO DA INCLUSÃO

STIGMA IN THE TIME OF INCLUSION

Sadao OMOTE

RESUMO: o artigo analisa a construção social do desvio a partir dos significados sociais atribuídos a diferenças que não se conformam às expectativas normativas. Aponta as reações de uma audiência como variáveis críticas na construção e manutenção do desvio, uma vez que nenhuma qualidade é inerentemente vantajosa ou desvantajosa do ponto de vista social. O estigma é tratado como marca social de descrédito e de inferioridade das pessoas que pertencem a alguma categoria de desvio, e cumpre a função de controle social para a manutenção da vida coletiva. Aventa-se a idéia de que os desvios e estigmas são necessários na construção de uma sociedade inclusiva, justamente porque há aí uma ampla gama de desigualdades. O estigma é parte integrante da inclusão, e este é o grande dilema a ser enfrentado pelas sociedades humanas que precisam combater as desigualdades. A vida comunitária dos diferentes, sem as desigualdades sociais de hoje e com o respeito à diversidade, precisa conviver com o controle social por meio de estigma.

PALAVRAS-CHAVE: inclusão; desvio; estigma; controle social.

Fim do Texto

Clique aqui para voltar para a página anterior