ORIENTAÇÃO SEXUAL PARA JOVENS ADULTOS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA

SEXUAL ORIENTATION  FOR YOUNG ADULTS WITH HEARING IMPAIRMENTS

Helen Milene CURSINO[1]

Olga Maria Piazentin Rolim RODRIGUES2

Ana Cláudia Bortolozzi MAIA3

Maria Estela Guadagnucci PALAMIN4

RESUMO: O estudo investigou o tema da sexualidade junto a 14 jovens adultos com deficiência auditiva de 18 a 35 anos de idade, no Centro de Distúrbios da Audição Linguagem e Visão (CEDALVI) que faz parte do HRAC-USP/Bauru. Os objetivos foram: identificar quais as necessidades de informação no que diz respeito à sexualidade; intervir, através de um programa de orientação sexual, informando e discutindo sobre temas referentes à sexualidade e verificar a aquisição de informação obtida com o programa de orientação sexual. Para tal, foi realizado um programa de orientação sexual, com três encontros abordando os seguintes temas: Órgãos sexuais e relações de gênero, Relacionamento afetivo e Gravidez, doenças sexualmente transmissíveis e auto-estima. Utilizou-se para a coleta dos dados um questionário inicial, questionários com questões fechadas, falso e verdadeiro, tipo pré e pós-teste no início e ao final de cada encontro e uma entrevista de avaliação processual, ao final do programa. Observou-se que o termo sexualidade continua sendo reduzido ao ato sexual ou as formas de prevenção de doenças ou métodos contraceptivos por grande parte dos jovens e a fonte de informação mais citada foi a mídia. O tema de maior número de acertos no pós-teste foi Órgãos sexuais e relações de gênero e todos, em geral, avaliaram positivamente a participação no programa. Concluiu-se que é necessário que a sexualidade seja cada vez mais incluída em programas de reabilitação, garantindo o acesso a informação e a discussão do tema, tão importante na vida desses jovens.

PALAVRAS-CHAVE: deficiência auditiva; sexualidade; orientação sexual.


[1] Especialista em Psicologia Clínica pelo Hospital de Anomalias Craniofaciais, Universidade de São Paulo – helencur@ig.com.br.
2 Mestre em Educação Especial pela UFSCar/SP, doutora em Psicologia Experimental pelo Instituto de Psicologia da USP/São Paulo, docente do departamento de Psicologia da Unesp/Bauru.
3 Mestre em Educação Especial pela UFSCar/SP, Doutora em Educação pela Unesp/Marília, professora de Sexualidade Humana no curso de Psicologia da Unesp/Bauru.
4 Mestre em Distúrbios da Comunicação Humana pela USP/Bauru, Psicóloga  Cedalvi HRAC/USP – Bauru.

Fim do Texto

Clique aqui para voltar para a página anterior