Oficina abrigada e a “integração” do “deficiente mental”
Sheltered workshopp and the “integration” of “mentally retarded” people

Gilberta Sampaio de Martino Jannuzzi

RESUMO: A pesquisa revelou que, de um lado, há reprodução da segregação do “deficiente”, tal como existe no bojo da sociedade, mas também produziu a valorização de suas pessoas perante a família e a comunidade. Na Oficina estavam sujeitos a tarefas ainda mais parceladas que na indústria, em função do controle da produtividade, mas também suscitaram modificações no ambiente, criando nele até uma certa ludicidade, traduzida pelas brincadeiras, namoros e manifestações de entusiasmo frente a certos eventos. Sugeriu-se que fosse mantida para os altamente lesados, sem condições de integrarem o trabalho nas comunidades, não só em vista da possibilidade grupal prazeirosa, como também por não se ter ainda no Brasil o lazer como atividade suficientemente desenvolvida. E indispensável, porém, que se prossiga o trabalho pedagógico de incentivo à leitura, artes, esporte, etc.

Fim do Texto

Clique aqui para voltar para a página anterior